quarta-feira, janeiro 26, 2005

Anfitriã, mas pouco...

Ainda as inaugurações... prometemos que é o último 'post' sobre isto... mas falta-nos, talvez (com certeza que falta), referir a sessão solene no Cine-Teatro dos Bombeiros... [pois que o Salão Nobre dos Paços do Concelho continua (faz lembrar outras) em obras há não sei quanto tempo!]
Parece que, também aqui, a Dr.a Teresa Carvalho, Presidente em exercício, foi anfitriã, mas pouco... depois do seu curto discurso (que, aliás, parece ter sido também curto em conteúdo... os pedidos habituais de melhores acessibilidades (estrada de ligação ao IP3), apresentação dos protocolos... o resto valia mais não ter dito...) e da assinatura dos protocolos (o pessoal da Póvoa é que deve estar contente: 50 mil dele para a construção da sede do Grupo Folclórico!), imaginem quem "usou da palavra com a premissão do sr. Primeiro-Ministro"!? "o sr. Jaime Carlos Marta Soares"...
Pois é... é mesmo verdade... o Jaimito falou... e só abriu a boca para fazer campanha eleitoral... e desta vez: discurso inflamado... demagógico como sempre, mas muito bem como orador! Começou com o truque do "tinha ali um discurso escrito... mas até achariam estranho eu vir para aqui com um discurso escrito... não o lerei, direi apenas que..." e teve tempo de dizer o que lhe apeteceu [era ver o Pedrito com uma cara de sono...] no longo diZurso que fez... falou até da oposição poiarense... "uma oposição não tão credível como seria desejável"; afirmou que os protocolos não eram campanha eleitoral (ninguém estava a pensar nisso) e que afirmava ao "sr. Primeiro-Ministro que quando ele tomar novamente as funções de Primeiro-Ministro lhe serão entregues mais projectos"; como se não fosse óbvio o seu apoio ao Pedrito, "O Dr. Pedro Santana Lopes é uma força da Natureza"; e terminou com uma verdadeira chantagem aos Poiarenses... "Poiares não pode prescindir do Dr. Pedro Santana Lopes como primeiro ministro!" (com certeza, já a treinar para o comício daí a pouco em Coimbra:) "Portugal não pode prescindir do Dr. Pedro Santana Lopes como primeiro ministro!" e acabou com um valente, muito aplaudido, "viva Vila Nova de Poiares!", "viva Portugal!", "Viva o Sr. Primeiro-Ministro... [e disse mesmo], Pedro Santana Lopes!"
Foi patético... campanha eleitoral pura... enfim...
Claro que... seguidamente, veio o discurso de circunstância do Pedrito... "confesso que já não me lembro todas as obras que inaugurei hoje" e depois lá foi tentado lembrar-se delas... uma a uma... falou, por exemplo, da galeria de exposições (inaugurada junto ao Cristo) onde está, esperemos que patente ao público, uma exposição com os retratos dos antigos presidentes da Câmara Municipal, para dizer que "se deve pensar em fazer um retrato de corpo inteiro do Jaime Marta Soares para lá colocar quando ele se for embora"... troca de galhardetes, portanto, pois que o Pedrito precisa muito dos votos do Jaimito... Mas... não tinha acabado... não terminou o discurso sem referir que as obras, naquele dia inauguradas, têm muitas horas de trabalho e que as pessoas não devem agradecer ao governo por elas, antes "as pessoas tem que agradecer ao presidente de câmara notável que têm!" E assim se faz um discurso... se distribuem sorrisos... e se angariam mais uns votos... é assim a campanha eleitoral em Portugal! E rápido que se faz tarde... "ah... já é tardíssimo, já deviamos estar em Coimbra há horas... vamos!"
E lá foram eles... a paz voltou a Poias...
Boa Noite!