sábado, janeiro 15, 2005

Absolutamente... patético (2)

Esta é a "mensagem pessoal 4" do nosso Zézito do PS... que chegou às caixas de correio electrónico de quem subscreveu a newsleter dos jogos Novas Fronteiras... ora vejam:

"Queremos contar consigo!
No próximo dia 20 de Fevereiro, os portugueses vão ter uma palavra decisiva a dizer sobre o seu futuro. É preciso que este seja um ano de viragem. Um ano que faça a diferença.
É urgente voltar a acreditar em Portugal. O País precisa de recuperar a esperança e precisa, também, de um novo rumo. Só o PS pode dar a Portugal uma alternativa política de mudança, um projecto que represente uma nova ambição para o futuro do País.
O projecto do PS visa recolocar Portugal na trajectória do crescimento económico, com mais emprego e menos desigualdades sociais. Não me falta determinação para cumprir este projecto. Acredito que com um rumo claro, mas também com trabalho, rigor e competência, seremos capazes de vencer as dificuldades e de modernizar o País.
Não perderei demasiado tempo a falar do passado. Falarei verdade sobre a situação a que chegámos mas quero que as atenções dos portugueses se concentrem, sobretudo, no futuro, naquilo que há a fazer.
Podem contar comigo. Mas o País precisa de todos. Quero mobilizar os portugueses para novas metas, novas fronteiras.
Apelo agora à sua participação. Construa connosco uma dinâmica de mudança. Ajude-nos a desenvolver, debater e divulgar as nossas propostas.
A sua participação activa é fundamental e por isso nós pedimos a sua intervenção e participação. E há muitas formas de intervir e participar:
- Indicando o seu nome para passar a receber notícias e informações sobre o Partido Socialista e o Fórum Novas Fronteiras.
- Indicando outras pessoas que queiram ajudar ou estar informadas
- Enviando contributos para o Programa do Governo e para o Fórum Novas Fronteiras
- Enviando sugestões e comentários
Agora é consigo!
Os meus votos de Bom Ano
José Sócrates"

Masturbação intelectual (dizemos nós)... onde está uma ideia para o país? Intensões? Sim... Mas formas de as passar a realidades? Não... Confia-se, isso sim, na alternância democrática...
Bom dia!